Os Bispos episcopais se encontram na presença de Nossa Senhora de Częstochowa

Em 9 de novembro de 2017, o Episcopado do Equador celebrou o 130º aniversário da evangelização no Vicariato Apostólico de Puyo, às portas da Amazônia. Nesta ocasião, realizou-se 143 Sessões Plenárias do Episcopado do Equador com a participação do novo Nuncio Arcebispo. Andres Carrascosa Coso.

Foi uma excelente oportunidade para organizar o encontro de Nossa Senhora na peregrinação Ícone de Częstochowa com seus amados filhos. Ks. Leon Juchniewicz, que é o coordenador da peregrinação no Equador, teve que atravessar a Cordilheira dos Andes de Santo Domingo para Puyo. A viagem de ida durou cerca de 6 horas. O ícone foi colocado na Mama Mobil, uma "casa" de vidro colocada na caminhonete. Graças a isso, a Mãe de Deus era claramente visível para os habitantes das cidades equatorianas que passavam.

O ícone de Czestochowa visitou a assembléia dos bispos no final de seus debates e depois participou da procissão mariana para a proteção da vida e da família. A cerimônia contou com a presença de todos os bispos do Equador. A procissão começou em 18:00, quando a escuridão cai no Equador. Ela saiu da igreja. St. Wincenty Ferrer, e terminou na catedral local. Nossa Senhora do Rosário, onde se celebrou a solene Eucaristia. Santa Missa foi presidida pelo bispo Eugenio Arellano Fernández, MCCJ, vigário apostólico Esmeraldas, presidente da Episcopal Episcopal Conference.

Em sua homilia, o bispo Arellano falou sobre a presença da Mãe de Deus que vagueia pelo mundo em defesa da vida humana. Ele a chamou de Morenait (Brown Virgin), assim como os hispânicos definem a Mãe de Deus de Guadalupe. Ele ressaltou que ele é o padre dos "morenitos" que vivem no Equador. Após o serviço, todos - e os bispos e os fiéis - receberam uma pequena imagem de Nossa Senhora de Częstochowa, em cujo reverso a Oração de São. João Paulo II da encíclica Evangelium vitae. O Ícone permaneceu na catedral durante toda a noite e muitos adeptos a adoravam até o final da noite.

No dia seguinte, o Ícone teve que voltar para Santo Domingo. Ks. Leon chegou à catedral pela manhã para levá-la e colocá-la em Mama Mobil. Ele encontrou uma mulher idosa e local, vestida com roupas típicas de sua idade, usadas pelos habitantes desta região. Ela estava olhando para a Mãe de Deus com grande admiração. Ela acendeu uma vela para Ela e colocou-a na frente do Ícone. Ela contou ao Pe. Leon: Não a pegue, nunca vi esse ícone antes! Não leve minha mãe! Ks. Leon deixou que ela toque o Ícone, reze por um momento e diga adeus, mas então eles tiveram que voltar pelos Andes.