Maria continua a sua jornada pelas cidades da Diocese de Santo Domingo no Equador

Desde o domingo dia 10 a 19 de setembro de 2017, o Ícone de Częstochova, visitava a Comunidade Paroquial: Cristo Rei da Nova Israel. A principal Igreja Paroquial encontra-se a 17 quilômetros da cidade de São Domingos. No caminho para Chone (Manabi), contando aproximadamente com seis mil habitantes.

Graças aos fiéis paroquianos, o Ícone da Mãe Divina de Czestohova, foi, primeiramente apresentada ao povoado Avispachila, na vizinha Paróquia de São Vicente em Bua. Avispachila. E um pequeno povoado, ocupado por por poucas famílias e onde o sacerdote celebra a Sta. Missa apenas três vezes ao mês.

Todos os paroquianos vibraram e aclamaram a visita da Mãe de Deus Alguns grupos da Catequese, pais e filhos participavam da adoração e da reza do terço do terço. O Ícone da Mãe Divina, como sempre, despertava o interesse e a religiosidade do povo.

A intenção desta peregrinação da Mãe de Deus é a promoção da civilização da vida e o abandono e o fim dos abortos. Por isso, como Vigário, resolvi acentuar e valorizar a presença das Mães, tão atarefadas e normalmente não são tão ativas no âmbito da vida paroquial. Convidei-as, para que elas orassem diante do Ícone afirmou o Padre Carlos Armijos,  vigário da paróquia  do Cristo Rei.

Alguns grupos pastorais como: Irmãozinhos de Maria, Movimento João XXIII, Catequistas e várias famílias viveram o momento de uma meditação profunda diante do “semblante ferido da Virgem”, como confirmou um dos meninos.

Maria retorna, mas, sem nenhuma dúvida, atendeu a muitos pedidos pessoais e familiares. Acreditamos que se encontram aqui muitas pessoas, as quais, com a influência da Mãe do Salvador, irão tornar-se promotores e defensores da vida acima do ideologismo e suas matizes.

 

Tarea pública cofinanciada por el Ministerio de Asuntos Exteriores de República de Polonia dentro del marco de Concurso de Diplomacia Pública 2017 – componente "Cooperación en Diplomacia Pública 2017"
La publicación expresa solo los puntos de vista del autor y no puede identificarse
con la posición oficial del Ministerio de Asuntos Exteriores de la República de Polonia.